quarta-feira, 23 de novembro de 2016

HOMENS E NAMORADAS - CONCESSÕES E LIBERDADES....



Não me lembro de em alguma ocasião,  ter olhado para alguma ex namorada e ter tido a ousadia de a chamar a atenção fosse pela indumentária, fosse até porque em algum momento me pudesse dizer: "Vou ter com um amigo". Para as homens as luzes acendem-se automaticamente quando a sua denominada amada decide que usar da sua própria liberdade é fazer uso de uma necessidade que a ela pertence e para o qual a mesma trabalhou em si.

Dizem que os homens são os verdadeiro machos porque são senhores do seu nariz, verdadeiros chefes de família, da segurança, da estabilidade. São os garanhões, os salvadores das donzelas que em apuros necessitam do seu lado da segurança intensa que os mesmos proporcionam. Ora...tretas! Bullshit! Desculpem a ousadia mas mulheres incapazes criam machos medrosos. Na verdade a maioria dos homens são um bando de maricas que do alto da sua coragem, cegos pela covardia que os assola transformam os seus medos em sinais preocupantes de homossexualismo enrustido.

Ora...repara...tu que estás aí desse lado. Tens namorado, marido, ou possivelmente vives em união de fato e deduzes que para ti, que o respeito se centra naquilo que ofereces ao mesmo. Na tentativa de expressar que esse mesmo respeito pelos receios dele, são validados pela falta da tua liberdade. É uma balança em que o nome mais ouvido não se digna a ser chamado de justiça ( porque essa não existe), mas sim de concessão. Moralmente achas até correto que sair com amigos, sair de saia curta, falar com alguém, pode ser visto como uma falha do teu carácter ou desvio de personalidade.

Deves respeito, és uma senhora, uma lady com namorado, dentro de um casamento, ou em  união de fato e por isso mesmo a ousadia que tens em usar dessa liberdade que é tua pertença,  pode ser usada contra ti como uma arma de arremesso. Porque ao usares dessa tua liberdade, da tua vontade, não retiras a liberdade do outro...retirar protagonismo. E o grande problema é que os homens amam protagonismo. Eles tem de ser o teu mais que tudo. Em primeiro lugar eles, o amor deles, a vontade deles, os direitos deles, o prato na mesa é para eles, a roupa passada a ferro é para eles, a roupa estendida no varal é para eles, a confraternização com amigos é para eles. Tudo...em prol...da liberdade deles...não da tua! Quem pensas que és tu na verdade? Tu não tens direito a nada pobre mulher!

Tu não podes usar uma saia curta que o menino fica aborrecido, não podes pintar mais os olhos ou lábios que ele entre em curto-circuito. Não podes sair com algum amigo. Que amigo? Mulher que é pertença de homem não sai sozinha com amigos! Quem pensas que és tu? Eu tenho o pessoal do futebol! Mas tu? Ahh....tu tens roupa para estender! Mas é amor...são as concessões! É a liberdade de um em prol de outro!

Produzes e crias machos amaricados, porque o alimento do lobo necessita que vergues a tua condição de mulher liberta de amarras em prol dos receios do homem de barba rija. Sim...aquele que te encosta à parede, que te pega por trás, que te segura no cabelo, que te pergunta ao ouvido se gostas do jeito que ele faz...é o mesmo que se mija de medo que a tua liberdade afete a sua virilidade.
Perdido na ideia de que a sua virilidade pode estar a ser colocada em causa. E logo...perante esse fato, o fato da ideia da perda, da traição, dos olhares que se desviam, criam naquele homem de barba rija que não tem mais do que fraldas recheadas e húmidas de medos incessantes de que o mesmo pode ficar só. É uma nova verdade que se abre perante a ousadia da tua liberdade.

Em prol de um namoro ou de um casamento, fazem-se promessas de concessões e ideias estapafúrdias em nome do amor. A minha liberdade, pela tua liberdade e felizes para sempre...excepto quando se percebe que os machos outrora amaricados se transformam em monstros e é quando surge a pergunta delas: " Se eu soubesse o que sei hoje....dei tanto de mim..."

Em conversas que fui tendo ao longo dos anos com amigos entre outras pessoas, sempre notei esta ideia nas conversas, de que, a minha "posse", a minha mulher, a minha namorada, a minha mais que tudo, não deve, não pode, não aceito, não permito, não consigo. Porquê? Porque fico nervoso, fico aborrecido, não tolero, não partilho, não aceito. Parto a cara a um, parto a cara a outro, desfaço A, B ou C.
-Sou macho!!! - Diriam eles!!
-No...you are a fucking bicth...but you don t know yet...



Um comentário:

Claudia Dias disse...

É impressão minha, ou já tinhas escrito este post?! :P

Mas... outra vez estás a fazer uma generalização! Não é assim em todos os casos, talvez nem na maioria e cada vez mais nos dias de hoje a mulher pode e deve usar a sua liberdade para ser e fazer o que quer! :)