PORQUE OS ADOLESCENTES DETESTAM A ESCOLA?


Começou em alguns casos o inicio do ano escolar e como pai tal como desse lado outros mães e outros "daddy s" , de certo que é daqueles momentos em que os inícios de anos letivos são uma dor de cabeça. Livros, materiais escolares, toda a panóplia de organização inerente a um começo de ano e claro...money and more money spend!

Esta aposta necessária de dar aos filhos uma boa educação, um caminho que lhes permita de obejtivos de estarem e conseguirem todas as bases para a sustentação do seu futuro, deduzo que seja algo inerente a todos...ou quase todos.

"AS CRIANÇAS  NÃO QUEREM REGIMES DITATORIAIS  NOS  ESTUDOS...QUEREM EQUILIBRIO!"

Na verdade acho que a escola neste mundo moderno com os seus horários inflexíveis e forma de educação, num sistema educacional, que já acho podre e desatualizado há anos, é uma brutalidade no que toca a dar as melhores condições aos alunos. Vejo pais felizes a correr desalmadamente pelo futuro dos seus filhos, por uma educação que muitos não tiveram acesso e um regime de pressão de ter que ser o melhor, fazer o melhor e entender, priorizar toda a informação. Nota importante e apesar de todos os esforços que se possam fazer, a grande maioria desse esforço, infelizmente não será compensada.

O ESFORÇO FEITO PELOS PAIS, A APOSTA  NUM FUTURO PARA OS SEUS FILHOS, INFELIZMENTE NÃO SERÁ COMPENSADA. CULPA: ESCOLA - QUE CRIA SOLDADOS E NÃO ALUNOS.


Na escola, os trabalhos de casa uns atrás dos outros, horas e horas enfiados em cúbiculos, testes atrás uns dos outros e completa falta de foco dos alunos e vontade no que toca a estudar será algo a rever de uma forma inteligente e com capacidade e vontade de mudança.

Estamos a formar na verdade verdadeiras tropas de elite que diga-se de passagem, 70% deles infelizmente não darão em nada. Por muito que doa aos pais, verdade seja dita que de futuro teremos cada vez mais uma sociedade deambulante e descrente, tanto quanto anarquista.

DE FUTURO A SOCIEDADE SERÁ CADA VEZ MAIS DESCRENTE E ANARQUISTA. MAU FUTURO? NÃO! SERÁ O GRITO DA REVOLTA PARA A MUDANÇA.

Mas muito também se deve aos pais, bem como todos que estão associados ao crescimento de filhos e consequentemente também alunos. Pais,  esses grandes senhores e senhoras que do alto do seu posto do estilo: "Enquanto viveres sob o meu teto quem manda sou eu!", não ajudam da melhor forma. Nunca achei que ameaças a um filho através da imposição do medo de: " Opá...tenho de estudar senão vou dormir debaixo da ponte" é o melhor caminho para demonstração de amor. Dirão alguns: É uma forma de amor também! Direi eu: Vão-se foder!

Os pais, alimentam vontades, mimam os seus meninos com toda a panóplia das chamadas novas brincadeiras. É uma forma de compensação para o próprio tempo que muitos pais já nem conseguem dar aos seus filhos. Não culpo os pais na sua totalidade, mas como diria o outro: Se há tempo para estar com amantes, há tempo para amar um filho e de certa forma resume-se assim: As novas tecnologias substituíram o jogo da apanhada, o cabra-cega, o jogar à bola na rua, subir às árvores e tantos outros. Dirão muitos: É o progresso que evidentemente altera as formas de socializar de toda a gente. Formamos na verdade com a denominação cabisbaixa de "Progresso" seres cada vez mais incomuns. 


Oiço os pais todos felizes: " Ahhh o meu filho com dois anos já jogava pokemon e dava likes no TINDER ás gajas boas!" Os meus meninos por este andar vão ser engenheiros informáticos. Não amor...(dá-me vontade de dizer...) os teus filhos são os novos putanheiros, infelizes, safados, de mão em mão, de relação em relação da futura sociedade. Sociedade dos amores fáceis....

Horas em playstacion, facebook, whatsapp, seres cada vez mais industrializados, robotizados e individualizados.  Sem o verdadeiro conceito de união, de amizades fortes e destemidas, de percepção de um mundo onde a informação anda à velocidade da luz e o tempo de pré julgamentos cada vez é mais insensato.

Tudo isto em resumo reflete um novo tipo de sociedade, onde a pressão do capitalismo, da lúxuria, do desejo de ter, de ser, de luta por um propósito está completamente robotizado., transformado e dissociado de verdadeira magia emocional.

As aulas já de nada servem, senão mesmo para em conjunto fechados numa sala se unirem em torno de pequenas brincadeiras e respostas aos professores como: " Hã? O que é isso?".

Que me perdoem esta humilde opinião que muitos poderão dizer ser muito subjetiva e que apenas uma parte funciona desta forma. Certo será dizer que não acontece assim com todos. Pais existem, professores e consequentemente filhos e alunos que equilibram tudo isto que eu posso estar aqui a dizer.

Trata-se de uma opinião generalizada, mas acreditem extremamente verdadeira e atual na nossa sociedade. O que vejo permite-me dizer que as crianças não estão focadas de alegria nos estudos, porque o seu tempo de criança é-lhes roubado. E com isso adaptam-se a um crescimento e forma de estar que os torna pequenos empresários em busca de novos negócios que os possam deixar mais felizes. 


Na escola, para além da intensa panóplia de atividades, estudos, horas fechados, muitas vezes desde as 8:00 da manhã ás 7:00 da noite ( ou até mais tarde, dependendo das horas que podem os pais ir buscar) temos em formação não crianças, mas sim autênticos soldados escolares. A pressão para fazer trabalhos de casa, jantar, comer, dar uma festa no cão e cama...é intensa.  E depois temos os pais que ávidos de ver os seus filhos transformados em génios, esquecem-se da intensa pressão que crianças\adolescentes tem na escola assim como em casa. "Tens de fazer os trabalhos, vai estudar, etc...etc" Normal, dirão vocês desse lado. É o nosso papel! Incutir responsabilidade. Mas como incutir responsabilidade não dando liberdade? Liberdade de pensamento, liberdade de opinião, liberdade de tempo, de brincadeira, de equilíbrio sustentável de todas as partes?

Whatsapp, Facebook, telemóveis são apenas e só a forma direta como nos dizem: "Deixa-me ser criança! Deixa-me brincar!" Mas não há tempo! Não se de tempo dirão muitos! A pressão, as melhorias de nota, a intensa forma como se oferece esta mesma tipologia de aprendizagem a crianças de 11, 12, 13 anos ditam na verdade de de futuro autênticos armas que em determinado tempo se irão virar contra nós.

Revolta-me profundamente ver horários intensos, recheados de atividades da treta e pais todos felizes, porque acham que os seus filhotes se compadecem do esforço que os pais fazem. O que não se percebe é que muitos causam na verdade desequilíbrios estruturais que implica querer a todo o custo robotizar os próprios filhos com lições de " Sê grande, estuda, faz os trabalhos, toma atenção, concentra-te" -

Um sistema de educação que pretende formar verdadeiros génios mas acaba por os industrializar, tornado-os apenas seres que se movem pelos corredores da escola em busca da alegria perdida. Onde estou eu? Perguntam-se tantas vezes! 

A escola não é mais um meio de estudo ( apesar de parecer aos cegos, surdos e mudos), apesar de parecer aos que perdidos no sonho de tornar o seu rebento num futuro presidente, diretor, empresário, medico, arquitecto, advogado ou outro, torna-os sim marionetes de um contexto educacional....descontextualizado.

São raros aqueles que saltam da cadeira aos berros e dizem: " Mamã, papá, finalmente vou poder estudar o mercado financeiro!" 


Os putos na verdade ( e é bem feito!) estão pouco se lixando para a escola ( tirando um caso ou outro que os pais ficam todos felizes com o filho "Nerd" e que se congratulam dizendo: "  My little geniuous you will be the next Saddam Hussein!). 

E só vão lá porque óbvio é dito a estas alminhas que: Se não estudares não vais ser ninguém! Se não estudares como podes ter uma boa profissão? Se não estudares como podes ter dinheiro para comprar boas coisas? Se não estudares....ahhhh puta que pariu!! Já não basta ficarem horas a fio numa escola, com professores que já parecem autênticas grafnolas a falar sobre o mesmo, que não incitam da melhor forma...ainda chegam a casa cansados da cabeça e tem os pais à porta pressionando para fazer trabalhos, estudar. "Where is my fuking time to bread???" devem se questionar tantos!


Os pais às vezes parecem o bicho papão com os seus filhotes! Primeiro dizem que os filhos tem de ser fortes, destemidos, que tem de ter coragem...e depois toma lá tipo:

 "Epá...é assim...traduzindo....não estudas vais acabar com uma agulha espetada no braço num beco do cais do sodré!" A imposição do medo perante uma alminha é a tradução da intensa pressão que a sociedade clama, sedenta de novos mestres industrializados, onde um canudo, conhecimentos, palmadinhas nas costas e facadas intensas os esperam os clamando como grandes, mas na verdade já estão velhos e cansados deste novos.

E não pretendo filhos cansados...pretendo filhos felizes...




Comentários

Beatriz Martins disse…
Sempre gostei muito de ir à escola. Desde pequena, talvez por ser filha única e por gostar de brincar com outras crianças.

Passa pelo meu blog e deixa as tuas perguntas: http://abpmartinsdreamwithme.blogspot.pt/2016/09/q-3-facam-as-vossas-perguntas.html

Beijinhos
Claudia Dias disse…
Bravo!!! Todos os pais deveriam ler isto, já enviei ao meu apesar de já não "andar na escola" mas senti essas pressões todas. Até livros me obrigavam a fazer no verão!!! xD

Postagens mais visitadas