MUITA AREIA PARA O CAMIÃO? FELICIDADE COMPRA-SE COM ATITUDE...


Concerteza que esta expressão já foi ouvida por muitos várias vezes. Por norma é sempre dita em tom de brincadeira, porém alturas existem que a mesma é dita de plena convicção, que nos faz acreditar que na realidade existem pessoas que não podem, não devem ou nunca serão feitas à nossa medida ou melhor dizendo, não temos ou possuímos o pleno das capacidades para as poder ter. E com isso consumar o ato de transformar sonhos loucos em realidades credíveis e sustentáveis.

Sempre achei esta frase de: "Muita areia para o teu camião" injuriosa. Uma blasfémia que carrega em si mesma a total denominação da discriminação do ser. Tu não prestas, não consegues, não tens capacidade, não está ao teu nível e corpos perfeitos não foram trabalhados para andar de mãos dadas com corpos imperfeitos.

Ou ainda as denominadas teorias da conspiração onde o impacto de olhares e julgamentos automáticos te dotam logo à partida como "Persona non grata" para o mundo do marketing da beleza estonteante, do corpo escultural e da própria necessidade criada de ser o melhor...logo...ter o melhor. 

Não gosto da frase exatamente por ter tanto de inibidora como classificadora de status. Como se o status fosse de certa forma o principal dinamizador da proliferação da felicidade.

E não gosto principalmente pela própria decadência que a frase carrega em si numa sublime valorização de um em detrimento do outro.

E porquê? Simplesmente pela idealização que é feita , tida e mantida como uma impossibilidade latente que não está ao alcance.

Esta dedução de que uns valem mais do que outros, que uns tem mais necessidades, carências, experiências, focos, objetivos mais delineados que outros é plausível e perfeitamente perceptível.

Mas existe uma marca latente nesta discriminação do que podemos ter e não podemos ter. É a marca do Status que se carrega. Ora...desculpem...mas...foda-se com o Status! O status levou cantores, filósofos, escritores, atores e afins a mortes plenas de total infelicidade. Drogas, depressões, suicídios, estados de loucura, amores e desamores feitos e desfeitos invariavelmente uns atrás dos outros. Muita areia para o camião? Ohhh...it s the boogie man!

Quando via amigos meus que ouvindo esta frase baixavam lentamente a cabeça como quem diz: " Verdade...não tenho hipótese", corroía-me por dentro. Mas não há hipótese porquê? O que tem a ver o brilhantismo da beleza com a capacidade de uma auto estima elevada, mesmo não estando à altura dos padrões de beleza do outro?

Sempre existiu esta velha denominação de que os padrões certos nesta hierarquização era ficar, namorar, casar com alguém que estivesse na mesma fornada ou intelectual, ou profissional ou até familiar de forma a que com esta visão o equilíbrio assim...seria sustentado.

Existe uma padronização? Óbvio que existe! É limitativa? Óbvio que é! É sustentável como foco de futuro de equilíbrio familiar? Sem dúvida! É traço denominador de plena felicidade? Não!

Então, quando numa roda de amigos alguém nos murmura aos ouvidos: " Não tens hipótese, muita areia para o teu camião", percebe o seguinte:

Hipóteses são apenas deduções meramente irreais. Fruto da imaginação do que pode e não pode acontecer, logo hipótese não é nada mais do que a ideia do vazio. Para pintares uma tela, precisas de tintas, mas só sabes como vai ficar o trabalho de pintura quando finalmente terminares de o pintar.

Por isso mesmo nesta disparidade medrosa que tantos possuem em não se meter porque se acham menos valiosos, interessantes, incapacitados, violados na sua própria condição de auto estima como entregues de imediato ao abandono...dobrem o cabo tormentoso com algo tão simples como...atitude. 

Podes não ser rico, mas podes ser aquele que em dias de inverno estás lá para num abraço apertado te fazeres presente mesmo num silêncio ensurdecedor.

Podes nem carregar contigo os padrões de beleza que tantas e tantos desesperam e suspiram como se do cálice da vida se tratasse...mas embelezarás a vida dela (dele) todos os dias.

Podes não ser o rapaz tatuado que de repente se auto denomina como o Bad Boy da zona e conquistador nato, mas crivares no coração tudo o que significas.

Podes ser tudo mesmo não tendo nada. 

Lembra-te...camiões carregam areia. Bolsos carregam dinheiro. Futilidades carregam desamores.

Se pessoas carregam sentimentos, f
elicidade...compra-se com atitude.

Comentários

Claudia Dias disse…
"Uma blasfémia que carrega em si mesma a total denominação da discriminação do ser. Tu não prestas, não consegues, não tens capacidade, não está ao teu nível e corpos perfeitos não foram trabalhados para andar de mãos dadas com corpos imperfeitos."
ISTO DIZ TUDO!!! Concordo a 100% com todo o teu argumento. Pensar que esta pessoa ou aquela situação é "areia de mais para o nosso camião" é uma crença extremamente limitadora e que nos auto-sabota e impede de voos mais altos. Diminui-nos, sem fundamento. Mais uma vez, um excelente texto.

Uma observação apenas: muda a letra do blog, este tipo de letra dificulta a leitura! ;)

Postagens mais visitadas